A curiosa final sem fim da Copa Argentina

A curiosa final sem fim da Copa Argentina

Em 1971, a segunda edição do torneio, referente ao ano anterior, foi encerrada sem definir um campeão

COMPARTILHAR
Taça da Copa Argentina
Modelo atual do troféu da Copa Argentina (Foto: Reproduçãp/copaargentina.org)

Reeditada anualmente desde a temporada 2011/12, a Copa Argentina possui um histórico bastante insólito, embora nada inédito no futebol latino-americano. Sua primeira edição ocorreu em 1969 e consagrou o Boca Juniors de Alfredo Di Stéfano, que superou o Atlanta por 3 a 2 no placar agregado. Mas não houve um desfecho para o torneio no ano seguinte.

Excetuando-se Boca Juniors, River Plate e Estudiantes, que estavam na Libertadores, o torneio nacional contou com os principais times do país entre os 32 concorrentes, que se enfrentaram em sistema de mata-mata, em jogos de ida e volta. Dos participantes, 18 eram membros da elite e 1 da segunda divisão, além de 13 convidados de ligas regionais.

De um lado, o San Lorenzo eliminou Unión, Colón, Rosario Central e All Boys de Santa Rosa em seu caminho até a final. Do outro, o Vélez Sarsfield passou por Argentinos del Norte, Instituto de Córdoba, Chacarita Juniors e Racing para chegar à decisão.

O primeiro encontro pelo título ocorreu em 3 de março de 1971, no Estádio Don León Kolbovsky, do Atlanta, em Buenos Aires. Antes dos 10 minutos de bola rolando, o “Ciclón” já havia aberto dois gols de vantagem, graças a Rubén Ayala e Pedro Gonzáles. Na etapa complementar, o time de Liniers empatou com tentos de Miguel Benito e Adolfo Mecca.

Com 2 a 2 no placar, tudo estava indefinido. Literalmente. Até mesmo a data para o jogo de volta da final. Esse fato incomum envolveu também a organização da antiga Recopa Sul-Americana, que, vale pontuar, não tem nenhuma relação com a atual homônima.

San Lorenzo e Vélez Sarsfield
Reencontro das equipes na Copa Argentina nunca aconteceu (Foto: Reprodução/d24ar.com)

O campeão da Copa Argentina garantiria vaga no torneio da Conmebol e formaria grupo com representantes de Chile, Uruguai e Bolívia.

No entanto, o Deportes Concepción-CHI abriu mão de sua vaga, e o Huracán Buceo-URU ainda não havia confirmado sua presença.

Diante desse problema, a entidade reguladora do futebol sul-americano decidiu atribuir caráter amistoso à sua competição, que seria disputada somente pelos times do segundo grupo: América de Quito-EQU (campeão), Olimpia-PAR, Juan Aurich-PER e Valencia-VEN. As federações de Brasil e Colômbia haviam declinado de seus convites.

Como a Conmebol “suspendeu” a Recopa, a AFA decidiu fazer o mesmo com a Copa Argentina. Quando o certame foi retomado em 2011, dirigentes de San Lorenzo e Vélez acordaram que o ganhador de um eventual encontro seria reconhecido como campeão de 1970. Mas desde então eles nunca se cruzaram, deixando uma lacuna histórica até hoje.

Deixe seu comentário!

comentários

COMPARTILHAR
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, é apreciador do futebol latino, do teor político-social do esporte bretão e também de seu lado histórico.