Relembre 10 momentos marcantes da Libertadores 2016

Relembre 10 momentos marcantes da Libertadores 2016

Veja os acontecimentos mais memoráveis da última edição do torneio mais cobiçado da América

COMPARTILHAR

Finalizada na última quarta-feira (27), em Medellín, a Copa Libertadores da América consagrou o Atlético Nacional, dono do futebol mais vistoso e de uma campanha praticamente irretocável. Só a derrota por 1 a 0 no jogo de ida contra o Rosario Central, na Argentina, manchou a vitoriosa caminhada até o bicampeonato “verdolaga”.

Mesmo tendo terminado há poucos dias, porém, o glorioso torneio continental já deixa saudade no coração do torcedor e uma grande lacuna nas noites do meio da semana.

Entre os fatos insólitos ocorridos, além de golaços, acidentes, festas e brigas, o Alambrado lista abaixo alguns dos fatores que tornaram essa edição do certame tão memorável. Você lembra de algum item para acrescentar nessa relação?

1-) Apesar dos esforços referentes à segurança para diminuir o clima de hostilidade na Libertadores, dado o conhecido histórico de arremesso de objetos em campo por parte da torcida local contra os visitantes, houve um registro curioso no jogo entre Racing e Boca Juniors, pela penúltima rodada da fase de grupos, no El Cilindro, em Avellaneda.

Com a vitória por 1 a 0 no fim do segundo tempo, o goleiro boquense Orión, ao cobrar tiro de meta, foi alvo de um vidro de perfume. Isso mesmo. Alguém levou um recipiente da fragrância para o estádio e, em um ato descontrolado, arremessou-o contra o arqueiro, que não foi atingido. “Já estamos acostumados”, disse Orión no em entrevista pós-jogo.

2-) O São Paulo fez uma longa viagem até a Venezuela para encarar o Trujillanos. Como parte do protocolo da Conmebol, os jogadores do Tricolor se perfilaram antes do jogo para ouvir o hino nacional brasileiro, mas foram surpreendidos quando a organização trocou as músicas e executou o hino da Argentina. Só Centurión e Bauza entenderam a confusão.

3-) O Corinthians visitou a cidade de El Salvador, no meio do deserto do Atacama, no Chile, para enfrentar o Cobresal, então único invicto na história da Libertadores. Com 12 minutos de bola rolando, houve talvez a queda de energia mais rápida da história do torneio. O jogo ficou um bom tempo sem iluminação, e por isso o juiz só apitou o fim do primeiro tempo com quase 65 minutos.

4-) Quando a equipe comandada por Tite recebeu o Cerro Porteño em Itaquera, o técnico venezuelano César Farías quase perdeu as estribeiras com um gandula, aos 20 minutos do segundo tempo. Com a derrota dos paraguaios por 2 a 0, o treinador reclamou da reposição e tentou a bola tirar das mãos do rapaz, que sinalizava que já havia outra em campo. Apesar da rispidez, eles não chegaram às vias de fato.

5-) Outra vez o Alvinegro do Parque São Jorge, desta vez em jogo diante do Cobresal na Arena Corinthians. Cumprido o minuto de silêncio em respeito às vítimas de um terremoto do Equador, tudo pronto para o apito inicial, certo? Quase tudo. O árbitro uruguaio Andres Cunha mandou Rodrigo Reyes trocar o meião, que estava cortado na parte do pé, antes de começar o duelo. O jogador, então, sentou à beira do gramado e colocou o novo meião ali mesmo, atrasando bastante a saída de bola.

6-) Atuando no Estádio Monumental David Arellano, contra o Colo-Colo, pela fase de grupos, o Atlético-MG recebeu a melhor proteção possível para cobrar escanteio perto da torcida rival, ainda no primeiro tempo.

Colo-Colo x Atlético-MG
Cazares é protegido por guarda-sol em cobrança de escanteio no Chile (Foto: Reprodução/Twitter/leopireshd)

Um assistente de campo ergueu, atenção, um guarda-sol (!) para livrar o equatoriano Juan Cazares das gentilezas vindas das arquibancadas. Equipamento indispensável em qualquer partida.

7-) Libertadores não é Libertadores sem invasão animal. E o torneio não deixou a desejar. O Deportivo Táchira se lançava ao ataque para abrir o placar contra o Pumas quando o juiz, de maneira misteriosa, interrompeu o jogo aos 7 minutos. O motivo? Um alegre e simpático cachorro entrou no gramado para fazer parte do espetáculo. Como não pode haver mais de 22 jogadores, ele foi gentilmente retirado do campo.

😎 A festa nas arquibancadas demonstram a paixão dos torcedores por seus clubes, e quando eles têm liberdade para organizar grandes recebimentos, o torneio fica mais charmoso ainda. Em 2016, a torcida do Atlético Nacional deu show em algumas oportunidades, mas não foi a única. O Nacional-URU, o São Paulo, o Corinthians, o Deportivo Cali e o Rosario Central também foram alguns dos times que sentiram a vibração de seus fãs.

9-) Como sempre se espera, embora alguns não manifestem publicamente esse desejo, também houve cenas lamentáveis. Talvez a mais memorável foi no duelo épico entre Atlético Nacional e Rosario Central, com expulsão, virada no último minuto e um princípio de confusão generalizada. Mas a turma do “deixa disso” apaziguou os ânimos.

10-) Lá atrás, ainda na fase da pré-Libertadores, o ônibus que transportava a delegação do Huracán sofreu um acidente no caminho para o Aeroporto de Caracas, na Venezuela, depois da classificação do time argentino para a fase de grupos do torneio. O veículo, que havia saído do hotel, perdeu o freio e capotou na estrada. Por sorte, ninguém ficou gravemente ferido.

BÔNUS

Golaços. Essas obras de arte, juntamente com belos dribles, são sempre bem-vindas em qualquer situação. E não faltaram finalizações plásticas e jogadas bem trabalhadas nesta Libertadores. Marlone, Borja, Ganso e outros jogadores contribuíram de modo precioso para enriquecer o acervo audiovisual da Copa mais cobiçada da América.

Deixe seu comentário!

comentários