River Plate homenageia “primogênito” que inspirou camisa do Uruguai

River Plate homenageia “primogênito” que inspirou camisa do Uruguai

Clube é debutante na Libertadores e possui treinador com passagens pelo futebol brasileiro

COMPARTILHAR

Estreante, o River Plate do Uruguai já é uma das gratas sensações da vigente edição da Copa Libertadores por ter eliminado a tradicional Universidad de Chile na fase preliminar do certame. Muitos desconhecem, entretanto, que a fundação do clube “charrúa” não foi inspirada pelo homônimo argentino, que, coincidentemente, também busca a glória eterna nas Américas, na condição de atual detentor do título continental.

Embora tenha impulsionado o surgimento de vários “xarás” devido à fama e à popularidade que alcançou, o time de Bueno Aires não é o precursor deste nome. Essa distinção cabe ao River Plate Football Club, concebido em 1897 das mãos de empregados do porto de Montevidéu, em sua maioria estivadores e outros trabalhadores sem grandes recursos, e extinto em 1925, com 4 taças obtidas durante a época amadora no país.

River Plate Football Club
Fundado em 1897, River Plate FC pertencia à zona portuária de Montevidéu (Foto: Reprodução/futbolextingo.blogspot)

Inicialmente, os “darseneros” haviam sido batizados como Cagancha FC. Como a antiga associação uruguaia exigia em seus torneios somente times com nomes de origem inglesa, o Cagancha logo virou FC London.

A liga, porém, agora requisitava também a presença de jogadores britânicos. Sem o ingresso, então, os fundadores adotaram o nome River Plate em tributo a um barco inglês que era sua fonte de sustento.

LEIA MAIS: Na segundona uruguaia, a luta é pela sobrevivência

Com a admissão do rico Club Nacional de Football em 1900, o River Plate enfim encontrou brecha para ser aceito nas competições organizadas pela entidade reguladora do esporte em território uruguaio, mas sem o privilégio obtido pelo Nacional de entrar na máxima categoria, façanha conquistada após a disputa de outros torneios – cobrança, segundo algumas versões, baseada no fato de o River Plate ser de origem modesta.

Após a guerra civil de 1904, os “darseneros” abandonaram o uniforme preto e adotaram o vermelho e branco com listras verticais, cores do Partido Colorado e do Partido Nacional, respectivamente, protagonistas do sangrento conflito.

Como as tonalidades eram semelhantes ao do poderoso Alumni Athletic Club, o River Plate usou camiseta celeste e calções brancos para enfrentar o adversário argentino no dia 10 de abril 1910, em Montevidéu. Contra todas as expectativas, os locais venceram o amistoso diante da equipe comandada pelos irmãos Brown por 2 a 1, no Parque Central.

De tão significativa, a façanha foi homenageada no mesmo ano pela seleção nacional uruguaia, que até então havia usado distintas combinações de cores, como a azul com faixa branca na diagonal, a azul e vermelho e até uma camiseta azul e branca com listras horizontais, parecida com a da Argentina.

O NOVO RIVER PLATE

Em 11 de maio de 1932, já com a reestruturação da liga nacional e o consequente advento do profissionalismo no Uruguai, surge da fusão entre o Olimpia Football Club e o Club Atlético Capurro o Clube Atlético River Plate, em tributo ao extinto darsenero. As duas agremiações decidiram se reunir porque encontravam barreiras na transição do futebol amador para o profissional.

Estabilizado na elite a partir da década de 1990, o novo River Plate fez suas primeiras aparições internacionais na Copa Conmebol  de 1996 e 1998, mas só na segunda metade da década seguinte ganhou mais destaque. Em janeiro de 2007, anunciou como técnico o ex-jogador Juan Ramón Carrasco, hoje com 59 anos, que defendeu River Plate-ARG, Peñarol-URU, Nacional-URU, Cádiz-ESP e São Paulo, além do Uruguai.

No primeiro semestre de 2008, os resultados apareceram. A equipe foi a sensação do Torneo Clausura graças ao seu poder ofensivo, personalizado na figura do atacante Richard Porta, autor de 19 dos 48 gols do time em 15 jogos. A surpreendente campanha (12V, 1E e 2D) igualou a do Peñarol, que venceu o jogo-desempate por 5 a 3 e acabou perdendo a disputa pelo título unificado para o Defensor Sporting.

River Plate
Em 2009, River Plate fez campanha histórica até as semifinais da Sul-Americana (Foto: Reprodução/Apurogol)

No entanto, as boas atuações do River Plate ficaram marcadas, como as goleadas sobre Danubio (5 a 1), Peñarol (6 a 2), Defensor Sporting (5 a 1) e Rampla Juniors (7 a 0), rendendo-lhe participação na Copa Sul-Americana de 2009, da qual foi semifinalista.

Assim, o novo darsenero tornou-se o primeiro uruguaio desde o Nacional de 2002 a figurar entre os quatro melhores da competição, eliminando Blooming (5-1 no agregado*) Vitória (5 a 2 no agregado) e San Lorenzo (7 a 6 nos pênaltis). Chegou a vencer a futura campeã LDU em Montevidéu (2 a 1), mas foi goleado na volta por 7 a 0.

O TÉCNICO

As características ofensivas de Juan Carrasco, ainda que marcadas por momentos de desequilíbrios, não o levaram ao sucesso à frente do Uruguai. Ele foi demitido logo após a derrota por 3 a 0 para a frágil Venezuela, no Estádio Centenário, pelas Eliminatórias para a Copa de 2006.

Em 2010/11, reergueu-se ao conduzir o Nacional ao título uruguaio, porém, acabou igualmente dispensado. Também teve experiências pouco felizes no Emelec e no Atlético-PR, o qual assumiu em 2012, com aproveitamento de 67,7% em 36 jogos, pesando as eliminações para o Palmeiras, nas quartas de final da Copa do Brasil, e para o Coritiba, na decisão do Campeonato Paranaense.

Juan Ramón Carrasco
Hoje aos 59 anos, Carrasco é dono de uma personalidade marcante (Foto: Reprodução/El Observador)

De volta ao River Plate após um período sabático, Carrasco mantém sua personalidade forte que foge ao padrão habitual do futebol.

Já questionou jornalistas “intocáveis”, chegar atrasado a uma partida por estar comendo ravioles, encerrar entrevistas abruptamente e abandonar o estádio. Um treinador autêntico que agora sonha em levar outras glórias ao River Plate.

 

* Por falta de segurança, o primeiro jogo entre River Plate e Blooming foi interrompido aos 20 minutos do segundo tempo, quando o River Plate vencia por 1 a 0. Mais tarde, a CONMEBOL declarou o River Plate vencedor da partida por 3 a 0.

Deixe seu comentário!

comentários